Os nomes da terra que chamamos de Brasil

 

Pindorama. Assim os índios chamavam essas terras quando Cabral chegou. Segundo Theodoro Sampaio, o termo da língua tupi pode ser traduzido como o país das palmeiras. A denominação continuou sendo usada pelos nativos, por muito tempo.

Terra da Vera Cruz. Segundo a Carta de Caminha, esse foi o primeiro nome dado por Cabral, em 22 de abril de 1500.

Ilha de Vera Cruz. Nome usado por Caminha na assinatura de sua Carta, em primeiro de maio de 1500.

Terra de Santa Cruz. Esse nome já era adotado, em Portugal, em 1503. Continuava sendo usado em 1640, como indica o Atlas de João Teixeira Albernaz.

Brasil. Sua origem é incerta, mas o nome era usado bem antes da descoberta do Brasil, para terras do Atlântico não identificadas.

No Cantino, um mapa português de 1502, o nome Brasill é atribuído a uma das Antilhas. A denominação foi seguida por Waldseemüller (leia discussão à direita), só que o cartógrafo alemão já adotou nossa grafia atual, com s e apenas um l.

Assim, mesmo na América, a Terra de Santa Cruz não foi o primeiro território a ser chamado de Brasil. Também, ao que tudo indica, o pau brasil recebeu esse nome por estar nas terras do Brasil e não o contrário.

As grafias Brasil e Brazil (com s e com z) foram usadas por portugueses e brasileiros até o início do século 20.

America. Sim. O Brasil tem mais a ver com a origem desse nome do que qualquer outro país do Novo Mundo. Não foi erro de cartógrafo, como querem alguns. Em 1507, ao confeccionar seu monumental planisfério, o alemão Martin Waldseemüller batizou uma parte da América do Sul em homenagem a Américo Vespúcio. O nome AMERICA foi colocado em cima do Brasil e era o único topônimo regional dessa parte do Continente. As terras descobertas por Colombo tinham outros nomes, dados pelos espanhóis. Após acompanhar a primeira expedição exploratória ao Brasil, em 1501, Vespúcio publicou os primeiros textos conhecidos em que se afirma que aquelas terras seriam um Novo Mundo e não parte da Ásia (Índias), como se pensava até então. Para Waldseemüller, Vespúcio foi quem descobriu que se tratava de um novo continente e colocou o nome AMERICA ao lado dos levantamentos da expedição em que ele participou, quando chegou a essa conclusão, não por acaso, o Brasil.

Província / Estado. Do século 16 ao 18, o Brasil aparece ora como província, ora como estado. Parece que os reis de Portugal davam pouca importância aos nomes oficiais da América Lusitana. Em sua carta a Caramuru, de 1548, Dom João III refere-se ao estado do Brazil. Mas, Albernaz, cartógrafo oficial de Portugal, registra no seu Atlas de 1640, que "Brazil" era o nome vulgar da Terra de Santa Cruz.

Província de Santa Cruz. O português Pero de Magalhães Gandavo escreveu o primeiro livro de História do Brasil conhecido, com o título Historia da Província Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil..., publicado em 1576. Gandavo era um homem culto e provedor da Fazenda, em Salvador, com acesso à burocracia portuguesa. Entretanto, de 1572 a 1578, o Brasil estava dividido em dois, com duas capitais, o que torna a denominação de Província de Santa Cruz, para todo o Brasil, um tanto confusa. Não facilita o fato de que, Dom João III, em seu Regimento, dado a Thomé de Souza, em 1548, referia-se as Capitanias e povoações das terras do Brazil. O nome Santa Cruz simplesmente não pegou.

Província do Brasil. Segundo Jaboatão, em seu Novo Orbe Seráfico Brasilico, ou Chronica dos Frades Menores da Província do Brasil, publicado em 1761, o nome Província de Santa Cruz foi mudado para Província do Brasil. Jaboatão observa desgostoso que "...a indiscreta politica dos homens, ou a sua imprudente ambiçaõ mudou depois em o de Provincia do Brasil, mostrando sem o querer, que fazia mais estimaçaõ do valor destes páos vermelhos, de que dependem os seus lucros temporaes, do que do inestimavel preço daquelle sagrado Madeiro,..." Por sagrado Madeiro, Jaboatão referia-se à grande Cruz levantada em Porto Seguro para a realização da Segunda Missa, em 1º de maio de 1500.

Estado do Brasil. Em 1612, o Brasil era um Estado da Coroa portuguesa, como atesta o Livro que dá Razão ao Estado do Brasil, um documento oficial publicado naquele ano, em Portugal. Em 1621, o Brasil foi dividido em dois, pela terceira vez. Criou-se o Estado do Maranhão (depois Estado do Maranhão e Grão-Pará), com capital em São Luís, e o Estado do Brasil, com capital em Salvador. Essa divisão ocorreu durante a União Ibérica, quando não havia mais preocupação com a linha de Tordesilhas.

Entretanto, o primeiro livro da Imprensa Régia no Brasil, publicado em maio de 1808, Relação dos Despachos Publicados na Corte..., faz referência, em sua folha de rosto, aos Estados do Brazil, dando a entender que o nome Brazil era usado para toda a América Portuguesa.

Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. Em 1815, o Brasil foi elevado à condição de Reino.

Império do Brasil. Nome adotado a partir da coroação de Dom Pedro I, em 1822.

República dos Estados Unidos do Brazil. A primeira denominação do País após a instalação da República, em 1889.

República Federativa do Brasil. Nome completo atual do Brasil.

Como outros países chamam o Brasil: Brazil (países de língua inglesa), Brésil (países de língua francesa), Brasile (Itália), Brasilien (países de língua alemã, Dinamarca), Brazylia (Polônia), Brazilėjė (Lituânia), Brazílie (República Tcheca), Бразилия (Rússia), ब्राज़िल (Índia), 巴西 (China).

Nomes que não foram oficialmente adotados, apesar de referidos por alguns historiadores: Brasil Colônia, Principado do Brasil e Vice-Reino do Brasil.

O Brasil teve príncipes e vice-reis, mas eram títulos nobiliárquicos ou administrativos. Não se conhece documentos oficiais que façam referência a um Principado do Brasil ou a um Vice-Reino do Brasil (ver texto em Colonização do Brasil). De 1645 a 1815, o herdeiro da Coroa portuguesa recebia o título de Príncipe do Brasil. Era parecido com o que ocorre no Reino Unido. O Príncipe de Gales é o herdeiro do trono, mas Gales não é principado, nem é governado pelo Príncipe, coisas da realeza.

O Brasil não era juridicamente uma colônia de Portugal. Essa denominação ganhou popularidade entre alguns historiadores no início do século 20, quando o mundo era repleto de colônias de países europeus. Portugal tinha colônias na África e na Ásia, resultado de uma redefinição política de seus domínios, no século 19, quando o Brasil já era independente.

No século 16, o Brasil era uma província portuguesa e foi elevado à condição de Estado já no século 17, sendo Estado até 1815, quando foi elevado a Reino. Os brasileiros eram também súditos do Rei, como os portugueses nascidos em Portugal. A história nos conta, entretanto, que existiam claras preferências dadas aos nascidos em Portugal, tanto no comércio, quanto nos cargos públicos. Além disso, existiam muitas restrições a atividades comerciais e intelectuais no Brasil, o que levou os brasileiros à Guerra da Independência.

 

Copyright © Guia Geográfico - Dados históricos do Brasil no Século XX

 

Nos primeiros anos do século 16, os demais países europeus não reconheciam a divisão do mundo feita por Portugal e Espanha. Em muitos casos adotavam seus próprios nomes às regiões descobertas. Após ler os textos de Vespúcio sobre sua viagem na costa brasileira, Waldseemüller colocou o nome AMERICA em cima do Brasil, em homenagem ao navegador florentino.

Para Waldseemüller, o Brasil era uma das ilhas das Antilhas, como mostrado em um outro mapa seu (fragmento embaixo, à esquerda). Nomenclatura parecida foi usada pelos portugueses no Cantino, em 1502 (fragmento, à direita), na Ilha do Brasill.

 

 

◄ História do Brasil

 

Carta Caminha

 

 

Acima, cédula de 500 Reis, da época do Império do Brasil. Embaixo, cédula de dois mil Reis, de 1918, da República dos Estados Unidos do Brazil. A grafia Brazil (com z) conviveu com a grafia com s desde o século 16. A partir de 1920, as moedas passaram a adotar apenas a grafia com s.

 

 

Nome Brasil

 

Pesquisa Historia Brasil

 

America Brasil

 

Estados Unidos Brazil

 

Imperio do Brasil

 

 

Os nomes da terra que chamamos de Brasil

 

Historia do Brasil

 

 

Por Jonildo Bacelar